Uma criança espanhola contratou o serviço AdWords do Google ao tentar ganhar dinheiro com o seu canal no YouTube. Ele não leu as condições do serviço e acabou se endividando. Como (ou quase) todo garotos de sua idade o mesmo queria fazer sucesso com seu canal no YouTube, e ficar rico e famoso como alguns ídolos que o mesmo assistia na plataforma conseguiu. Pois então, canal criado agora é hora de ganhar dinheiro certo? Bem foi isso que ele tentou fazer, pois o mesmo acreditava que o AdWords lhe serviria para receber por anúncios que apareciam vinculados aos seus vídeos eram, na verdade, autorizações de inserção de publicidade nesses vídeos que estavam lhe custando dinheiro. O Google lhe cobrou 100.000 euros (algo em torno dos 370.000 reais) por causa da publicidade que ele fazia.

Diante desse caso o Google emitiu um comunicado que dizia o seguinte:

“Analisamos este caso e não recebemos nenhum dinheiro da parte do usuário. Vamos cancelar o saldo pendente no AdWords. Vários serviços online, inclusive o Google AdWords, possuem restrições de seu uso conforme a idade. Sabemos da importância de se manter o entorno da família seguro na Internet, por isso os pais podem encontrar informações sobre como fazê-lo no Centro de Segurança Familiar do Google”.

Explicando para o EL PAÍS a mãe do garoto Imma Quesada disse:

“Eu não sabia onde meu filho tinha se metido”.

De acordo com ela, tudo começou em meados de agosto, quando seu filho contratou o serviço, por engano, um serviço multinacional dedicado a dar publicidade e posicionar vídeos e sites de internautas na rede.

Ele e um amigo achavam que tinha contratado um produto que eles iriam receber o dinheiro pelo publicidade gerada nos vídeos. O garoto toca numa banda de Torrevieja chamada Los Salerosos e costumava postar algumas de suas gravações no YouTube.De acordo com a mãe:  “Ele achava que estava ganhando dinheiro, e não o contrário”, “e queria comprar instrumentos para a banda, coisas assim, embora também tenha dito ao amigo que, se ficassem ricos, iria comprar uma mansão”.

Lembrando que nenhum menor de idade pode contratar um serviço sozinho, a mãe afirmou que, para ele adquirir o serviço o Google pediu para inserir os dados da conta bancaria e o seu nome. Foi depois disso que em setembro começou a chegar as cobranças da companhia, cujos os valores sobiam com o passar do tempo saindo de uma divida de 15 euros para de uma de 19.700 euros. A conta tinha inicialmente 2.000 euros mas a mesma já estava no vermelho.

O banco ligou alertando os pais, que bloquearam a conta imediatamente e devolveram os recibos anteriores. Mas isso não impediu que novas cobranças chegassem, na mesma conta, de 78.000 euros. A família tem três filhos, Imma está desempregada e seu marido é vendedor ambulante.

A mãe disse que não sabe como seu filho conseguiu ter uma divida alta assim menos de um mês, e ainda o seu filho estava de castigo sem poder mexer no computador. A descoberta disso foi feita por um técnico de informática que examinou o equipamento.

“Meu filho não sabia o que estava fazendo. Agora, ficou a criança mais famosa da escola e sua mãe aparece na televisão. Eu lhe pergunto se ele sabe as consequências daquilo que fez, mas ele parece que não percebe, acha que não vai acontecer nada. Nós somos mais realistas”, disse Imma. Os pais contrataram um advogado para cuidar do caso.

No final das contas o Google decidiu cancelar as dividas.

Fonte (Informação): EL PAÍS